21 de mai de 2010

Meu caminho de volta para casa

                                                 
Numa noite de insônia saio de casa, na chuva, e vou andando na rua deserta onde eu só vejo as luzes das casas, dos postes e dos faróis dos carros um pouco distantes de mim e continuo seguindo, mas,de repente, as luzes se apagam e não consigo enxergar mais nada. Não sei onde eu estou indo, não sei o que me espera lá na frente, mas vou andando com medo dos meus passos, sem saber onde pisam, afundarem numa poça de lama, algo está me chamando, mas não sei o que é. Vou andando, tentando encontrar o caminho para casa. Quanto mais eu ando mais me perco nessa escuridão.
Com muito medo de prosseguir, eu paro perto de um assento e descanso, respiro fundo para não chorar de medo. Contudo, não consigo conter minhas lágrimas, que se mesclam com as gotas da chuva que rolam no meu rosto, escondendo o meu desespero de estar na rua deserta sem saber se volto para casa. Não sei que vontade foi essa de sair tarde da noite em plena chuva, será que foi o desejo de liberdade, logo na chuva? Sem pensar no que fiz, agora estou aqui, perdido, sem saber para onde ir, eu preciso achar o caminho de volta. Levanto-me e vou andando.

Os meus pés, que estão descalços, estão cansados de andar por essa rua cheia de pedras, doem muito, tropecei numa pedra que atrapalhou o meu caminho,acabei caindo e ali fiquei sentindo aquela dor,não a dor da queda , mas a dor de não poder encontrar mais o meu caminho de volta para casa, ali fiquei chorando e gritando, mas ninguém me ouvia,tudo ainda estava escuro, segui em frente.

Esperando o amanhã chegar, vou prosseguindo, já que estou perdido e não há mais o que fazer. Eu pensava que sabia por onde eu estava andando.Eu pensava que sabia onde eu ia parar.E nada do amanhã chegar,minhas pernas não agüentam mais de tanta dor.E o frio vai se apoderando do meu corpo e nada do amanhã chegar para que o sol venha  me aquecer  e para que sua luz me faça encontrar o meu caminho.

Mas será que vai existir o sol nessa manhã que não chega? Pelo que eu sei “o amanhã não existe”, só existe este momento pelo qual estou passando. E agora tenho que enfrentar esse longo caminho e essas pedras que atrapalham o meu percurso.
Eu penso no amanhã sem saber se ele vai existir, e no meu momento presente, vou vivendo essas fraquezas que estão tentando me derrubar, mas a partir delas estou buscando forças para achar o meu caminho e chutar todas as pedras que estiverem em meu trajeto. Algo me chamou nesta noite, antes eu não sabia o que era ,mas agora eu sei, foi aquela luz no fim do túnel que só eu estou vendo e neste momento vou ao seu encontro em busca da minha casa que fica dentro de mim,onde me perdi nessa noite, por causa da minha insônia.
  

                                                              Filipe Costa

9 comentários:

  1. Adorei!! Pareceu-me que era um sonho... um pesadelo! Cheguei a sentir frio...
    Parabéns!

    Um grande abraço, amigo. Tenha um belo fim de semana.

    ResponderExcluir
  2. ...traigo
    sangre

    de
    la
    tarde
    herida
    en
    la
    mano
    y
    una
    vela
    de
    mi
    corazón
    para
    invitarte
    y
    darte
    este
    alma
    que
    viene
    para
    compartir
    contigo
    tu
    bello
    blog
    con
    un
    ramillete
    de
    oro
    y
    claveles
    dentro...


    desde mis
    HORAS ROTAS
    Y AULA DE PAZ


    TE SIGO TU BLOG




    CON saludos de la luna al
    reflejarse en el mar de la
    poesía...


    AFECTUOSAMENTE
    FILIPE


    ESPERO SEAN DE VUESTRO AGRADO EL POST POETIZADO DE CHOCOLATE, EL NAZARENO- LOVE STORY,- Y- CABALLO, .

    José
    ramón...

    ResponderExcluir
  3. Filipe, meu queridooooo.
    Senti até medo nesse conto rs.
    Mas na verdade, eu parei muito nessas palavras:
    "Em busca da minha casa que fica dentro de mim.."

    Perfeitooooo, lindo, absolutooo!

    Um grande abraço, e um fim de semana maravilhoso!

    ResponderExcluir
  4. aah tudo isso daria um belo slide...Adorei*

    ResponderExcluir
  5. Quantas vezes, para nos encontrarmos, é preciso nos perder? Saímos à procura de algo que pensamos estar fora, quando está em nós mesmos.

    Que bom que sempre haja uma luz no fim do túnel!

    Abraços,

    ResponderExcluir
  6. belas palavras...tão real!
    amei!

    beiijo
    ótimo fim de semana!
    ")

    ResponderExcluir
  7. Passei para lhe dar um abraço, amigo Filipe.

    ResponderExcluir
  8. Boa noite, querido amigo Filipe.

    Um grande abraço.

    ResponderExcluir